Marega reativa Portugal contra o racismo

Os partidos políticos, as autoridades e o mundo do futebol condenam insultos xenófobos contra o jogador do Porto durante o jogo com

O desporto e a Política de Portugal são solidários com o futebolista Moussa Marega, vítima de insultos racistas durante o jogo Vitória de Guimarães-Porto da Premier League portuguesa, no domingo à noite. O atacante marcou o gol do triunfo dos visitantes (1-2) e durante a celebração recebeu insultos racistas das arquibancadas. Em seguida, ele deixou o campo apesar das tentativas de vários companheiros de equipe para impedi-lo, e enquanto o árbitro não fez qualquer ação, e sua equipe, Porto, deu entrada para outro jogador. Ele foi avisado e o luto continuou.

Ontem, o primeiro-ministro do país, António Costa, foi um dos primeiros a reagir ao incidente. Em uma primeira mensagem mais formal no Twitter, ele escreveu: “nenhum ser humano deve ser submetido a tal humilhação, ninguém pode permanecer indiferente. Condeno, em qualquer circunstância, todos os actos de racismo.Mais tarde, em outro tweet, ele expressou: “total solidariedade com # Marega, que no campo acabou por ser não só um grande jogador, mas também um grande cidadão.”

Reforçar a lei

Reforçar a lei

Voltei de uma viagem à Índia, o presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, lançado no dia 8 de manhã, e uma página de declaração em suas eleições presidenciais: “o povo português eu sei, por experiência histórica, que a forma de racismo, a xenofobia e a discriminação, além de representar uma violação da dignidade da pessoa humana e dos seus direitos fundamentais, é um dramático nova forma, em termos de cultura, civilização e da paz social”.

Todos os líderes dos partidos políticos foram ontem solidários com o futebolista malinês, embora tenha nascido em França em 1991. Todos menos um, o líder Chega André Ventura. Também nas redes sociais, a extrema-direita do partido MP, que tem 1% dos votos nas eleições de outubro e que, segundo as pesquisas último fim de semana, seria atualmente recebe 6%-criticou aqueles que criticaram: “país da hipocrisia, onde tudo é racismo, e tudo imediatamente merece um banho de Lamentações e análise histórica-megalomaníacos (…) Para mim não vai passar””

O Presidente Vitória de Guimarães também não se solidarizou com o jogador. Depois de limpar o brasão do clube é preto e branco e tem “jogadores de todas as cores, raças e crenças”, diz o futebolista, sem programação causou a situação: “Eu não percebo o abuso racista, eu senti uma atitude provocativa dos futebolistas”, com referência a como Marega comemorado gol, dirigindo-se à multidão. Em todo o caso, o apoio ao futebolista era muito maioritário. O secretário de Estado para a juventude e o esporte, João Paulo rebelde, prometeu uma investigação sobre os autores dos insultos, embora neste momento, segundo o mesmo secretário, não haja nenhuma pessoa identificada pelos insultos racistas. A polícia confirmou que estão a investigá-lo, mas, neste momento, sem resultados.

“O governo já fez a sua parte, há outros atores que precisam assumir a responsabilidade.Sem nomeá-los, ele aponta para os clubes, A Liga Profissional de futebol, a Federação e seus vários comitês disciplinares. Em setembro passado, o governo do país reforçou o ato de violência de 2017 em casos de xenofobia e racismo no esporte. Até lá, insultos racistas foram multados, agora, se for provado criminalmente, podem custar ao criminoso até três anos de prisão. O efeito mais imediato do endurecimento da lei é a proibição da entrada nos estádios de uma centena de adeptos.

“É uma luta de todos os cidadãos”

Desde 2017, A Comissão para a igualdade e contra a discriminação racial (CICDR) impôs 17 condenações, nove das quais no mundo do desporto. As sanções variam de multas de 400 euros a 1, 500 euros multa. Na terça-feira, o Conselho de disciplina abrirá outro” processo ” que, quando concluído, passará para a Comissão de instrutores da liga e de lá para o Conselho de disciplina que irá propor uma decisão, que será objeto de recurso por anos. Com as regras em mãos, o campo de Guimarães poderia ser fechado de um a três jogos, embora tendo em conta os precedentes, provavelmente não é assim. No entanto, Marega conseguiu quebrar a lei do silêncio de um comportamento cada vez mais comum nos campos de futebol.

“Ele teve a coragem que outros não tiveram. Ele bateu na mesa e nos forçou a refletir””, disse o presidente da União dos jogadores, Joaquim Evangelista para a Agência de notícias Lusa. “É uma luta de todos os cidadãos; vê-se o crescimento dos grupos de extrema-direita em Portugal e na Europa. As autoridades desportivas não podem assumir uma posição hesitante. Evangelista advertiu sobre um possível plano dos futebolistas no caso dos eventos em Guimarães se repetirem: “hoje foi Marega, mas o mais pequeno caso deve merecer uma igual convicção””

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

6 × 1 =