O candidato de centro-direita rebelde de Sousa foi confirmado para um segundo mandato com 60,7% dos votos-Boom da extrema-direita, atingiu 11,9% – abstenção mais de 60% devido à Covid-19

Rebelo de Sousa confirmou o Presidente

Como esperado, Marcelo Rebelo de Sousa foi reeleito presidente de Portugal nas eleições presidenciais de domingo, 24 de Janeiro. O candidato de centro-direita ganhou 60,7% dos votos em comparação com 12,97% obtidos por Ana Gomes, candidata do Partido Socialista. Terceiro, o líder do partido de extrema-direita Chenga, André Ventura, com 11,9% dos votos, um recorde real que surpreendeu muitos comentaristas. Até há alguns anos, Portugal era um dos poucos estados da Europa que não tinha experimentado o crescimento de partidos extremistas.

Portugal a votar para presidente apesar do bloqueio

Cúmplice da pandemia da Covid-19, a taxa de participação foi inferior a 40% (39,5%, para ser mais preciso), significativamente inferior à registada nas últimas eleições. De acordo com os dados fornecidos pela Universidade Johns Hopkins, Portugal tem as taxas mais elevadas do mundo de novas infecções e mortes diárias por 100 000 habitantes, e o seu sistema de saúde pública está actualmente em grave sofrimento.
Voltando à política, Portugal confirma assim a estrutura que a caracterizou nos últimos anos, com o Partido Social-Democrata de centro – direita na Presidência e o Partido Socialista – liderado pelo Primeiro-ministro Antonio Costa-no governo.

Rebelo de Sousa, 72 anos, é um ex-professor de Direito e comentarista político da televisão, primeiro presidente eleito da República em 2016. Nas últimas semanas, sofreu fortes críticas por parte dos seus opositores políticos (bem como do Primeiro-Ministro Costa) pela forma como lidou com a pandemia. O próprio presidente admitiu que o país falhou na gestão da emergência e apoiou a possibilidade de que o atual bloqueio seja prorrogado até Março.
FIRSTonline é um papel web independente da economia, das finanças e da bolsa de valores publicado por A. L. iniziative Editoriali Srl, com sede em Roma, fundada e controlada por Ernesto Auci, Franco Locatelli, e é possuído por três acionistas minoritários (Andrea Gilardoni, Alessandro Pavesi e Laura Rovizzi). O portal e suas aplicações estão no diário criado por dois escritórios editoriais ágeis, um em Milão e outro em Roma, e por uma equipe inovadora e eficaz de inovação e gerentes da web.

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

82 + = 92